A empresa de pagamentos PayPal Holdings Inc (PYPL.O) encerrou seus serviços na manhã de sábado na Rússia, citando “as circunstâncias atuais”, juntando-se a muitas empresas financeiras e de tecnologia na suspensão das operações após a invasão da Ucrânia.

“Nas circunstâncias atuais, estamos suspendendo os serviços do PayPal na Rússia”, disse o presidente e executivo-chefe Dan Schulman em comunicado. Ele acrescentou que a empresa “está com a comunidade internacional em condenar a agressão militar violenta da Rússia na Ucrânia”.

Tradução: “Recebemos uma carta de @Dan_Schulman, CEO do PayPal. Então agora é oficial: o PayPal encerra seus serviços na Rússia citando a agressão da Ucrânia. Obrigado @PayPal por seu apoio! Espero que em breve você abra para Ucrânia (bandeira)”

Um porta-voz da empresa disse que o PayPal apoiará saques “por um período de tempo, garantindo que os saldos das contas sejam dispersos de acordo com as leis e regulamentos aplicáveis”.

O PayPal, que só permitia transações internacionais de usuários na Rússia, parou de aceitar novos usuários no país na quarta-feira. consulte Mais informação

Autoridades do governo ucraniano pediram ao PayPal que deixasse a Rússia e os ajudasse na arrecadação de fundos.

Em seu Twitter, o vice-Primeiro Ministro da Ucrânia, Mykhailo Fedorov, agradeceu o que considerou um apoio do Paypal. O VPM exibiu a mensagem enviada pelo CEO do Twitter diretamente a ele em seu Twitter.

O PayPal disse na sexta-feira que “desde o início da invasão, o PayPal ajudou a arrecadar mais de US$ 150 milhões para instituições de caridade que apoiam os esforços de resposta na Ucrânia, um dos maiores esforços que vimos em um período tão curto de tempo”.

A suspensão do PayPal na Rússia também se aplica à sua ferramenta de transferência de dinheiro Xoom. Rivais Wise e Remitly suspenderam anteriormente alguns serviços na Rússia.

Abaixo o comunicado do CEO e Presidente da PayPal, Dan Schulman:

Imagem